“para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da ESPERANÇA proposta; a qual temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu,” – Hebreus‬ ‭6:18-19‬ ‭ARA‬‬

Em Hebreus 6, a Esperança é comparada a uma âncora. A âncora é usada para deixar o barco firme. No mar calmo, o barco vai sendo arrastado lentamente para longe do Porto. No mar agitado, um barco sem âncora pode ser lançado contra pedras e pode Naufragar. As águas mansas podem representar os momentos de bonança, excesso de conforto e de distrações que nos afastam lentamente do nosso foco em Cristo. As águas agitadas, por sua vez, podem representar os momentos difíceis da vida: lutos, perdas, conflitos, traições. A questão é: você precisa de esperança para estar firme, independente das circunstâncias.

Você pode estar se perguntando: por que a esperança tem toda essa importância? Esperança diz sobre ‘algo que espero’. Sobre nossa expectativa.
Se o que você espera é ruim, provavelmente você estará mais ansioso [já viu esse ‘filme’?]. Se o que você espera é bom, ou melhor, se é ETERNO, a dimensão de tudo que acontece no agora diminui. Comparado com a eternidade, qual o peso desse sofrimento de agora?
A esperança do cristão, a nossa esperança, é em uma eternidade com Cristo, que passa pela certeza de que fui salva pelo seu sacrifício na Cruz e que fui adotada com filha de Deus, pra sempre.

E o que isso tem a ver com saúde mental? Saúde mental não é sobre estar feliz o tempo todo, é sobre constância, é sobre moderação, é sobre estabilidade, independente das circunstâncias. Posso ficar triste e feliz em situações tristes e felizes. Eu devo. Essa é a ideia. Deus nos fez seres emocionais. O problema começa quando as circunstâncias determinam minhas emoções e eu oscilo a ponto de depender completamente do meu meio estar estável para que eu esteja bem.

Hoje temos que: nossos pensamentos determinam nossas emoções. A ciência estima que tenhamos em torno de 20 mil pensamentos por dia, mas estudos falam em até 70 mil. [Você tem uma Ferrari na cabeça e nao sabia]. A maioria desses pensamentos estão no passado ou no futuro. Quando temos muitos pensamentos no futuro temos a famosa ansiedade e quando temos pensamentos excessivos no passado temos a sua irmã, a depressão.

Aqui, a ciência nos deixou uma seta apontando para a Bíblia. Aonde nosso pensamento deve estar? Temos vários textos sobre isso. No que é verdadeiro, puro, sim. Mas também no traz esperança. Jeremias falou isso diante de um cenário de horror: ‘quero trazer à memória o que me traz esperança’.

E como ter esperança?
1. Preciso ler a Bíblia para conhecer o que me foi feito e o que me espera.

2. Preciso de um relacionamento pessoal com Deus e experiência com Ele (a Bíblia diz que a tribulação produz paciência e essa, por sua vez, produz perseverança, experiência e ESPERANÇA).

3. Preciso visualizar meus pensamentos de esperança. Nossa mente passa a acreditar em tudo aquilo que imaginamos. Todos os coachs falam que você precisa ter a ‘mente vencedora’ e se imaginar nos lugares: por que funciona. Nosso cérebro não diferencia realidade de imaginação quando lhe apresento uma imagem mental. Use isso a seu favor.

Que nesse ano de 2022 não sejam as circunstâncias que determinam sua vida, seus pensamentos e suas emoções, que você tenha mais esperança, que você tenha mais estabilidade, que você tenha mais saúde mental.

Deus te abençoe.

DEBORA SENA (@deboracsena)

Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina (1 Timóteo 4.16). A Bíblia nos ensina tanto a doutrina da soberania de Deus quanto da responsabilidade humana. Quando entendemos que ambas sentam-se no mesmo banco, lado a lado, conseguimos ao mesmo tempo trabalhar e descansar.

Creio ser óbvio que quando falo de descanso estou me referindo a descansar na certeza de que tudo está nas mãos Dele e por isso devemos deitar na rede da soberania. Contudo, essa certeza em nenhum momento deve nos conduzir a um desleixo para com as nossas vocações gerais nem específicas.

Entende-se por chamado geral o nosso viver para sua glória e louvor em cada área de nossas vidas. Já quando me refiro a vocação específica estou falando de chamados como liderança, por exemplo.

Ainda que de uma maneira direta ou indireta todos lideramos ou tomamos decisões que influenciam tanto a nós quanto a outros. Quero me dirigir especificamente a líderes que estão a frente de pequenos ou grandes grupos relacionados com o universo eclesiástico cristão.

Acredito que cada pastor, presbítero ou líder de pequenos ou grandes ministérios devem levar a sério e ficar bem atentos sobre três áreas de suas vidas, são elas:

1. Leitura regular das Escrituras com o objetivo de sua edificação pessoal.
Lembro-me de ter ouvido um pastor dizer que após sair para um ano sabático, ficou quase quatro meses sem tocar em sua Bíblia. Ao analisar seu desinteresse pelas Escrituras ele concluiu que só mantinha vínculos com a leitura bíblica porque tinha que pregar.

Procure organizar seu dia para que essa prática não se torne sua também. Tenha um momento de leitura para sua edificação pessoal e aplicação das Escrituras em sua própria vida e só depois separe tempo para pensar nas necessidades das pessoas que você pastoreia.

Isso não significa que você é a pessoa mais importante que existe, creio que tal postura é essencial para que seu serviço seja feito com maior dedicação e sabedoria.

2. Mantenha conversas regulares com Deus sobre tudo.
Amo as palavras de Paulo aos Filipenses quando ele diz que não deveriam andar ansiosos por coisa alguma, em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças (Filipenses 4.6).

Como é bom saber que podemos conversar sobre tudo com um Deus bom e profundamente comprometido com a sua vontade. Eu realmente amo saber que Ele vai fazer a sua vontade e não a minha. Isto porque a Bíblia afirma que a vontade Dele é boa, perfeita e agradável (Romanos 12.2).
Se o seu ministério está te roubando de conversas regulares e íntimas com Deus é porque esse ministério é só seu e não Dele. O Senhor nunca lhe daria algo que fizesse você se afastar de sua presença.

3. Mantenha relacionamentos tanto com quem te edifica quanto te desafia.
Não tenha medo da agenda relacional de Deus para sua vida. Nem todos que teremos por perto serão sempre nossos grandes admiradores. Na verdade não confunda admiradores com amigos. Quase sempre quem mais nos ama, menos se preocupa com nossas virtudes. Eles quase sempre nos amam porque nos amam.

Não se cerque de analistas comportamentais em todo tempo. A vida também é feita de silêncio. Encontre pessoas para ouvi-los. Saia das conversas com a voz do outro ao invés da sua. Suas observações não precisam sempre ser conhecidas.

Considere a possibilidade de você não ser procurado pelo fato de não procurar ninguém.

Considere a possibilidade de Deus ter colocado pessoas que te desafiam para que você mantenha seus olhos fitos na cruz. Pessoas difíceis lembram que Deus teve que vir aqui para salvar um obstinado pecador que se chama você.

Ore enquanto vive e viva enquanto ora.

Começo esse texto com uma parte de um Salmo: “Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e florescentes” para conversamos um pouco sobre a importância do envelhecimento saudável.

O Criador ao nos criar, nos fez a Sua imagem e Semelhança, ordenando a crescer e multiplicar. Esse mandato foi direcionado a todos, crianças, jovens, adultos e inclusive idosos. Isso mesmo, idoso! Mas como é possível na velhice crescer, dá frutos e multiplicar?

A velhice não é sinônimo de doença, pelo contrário, é a fase de “estar velho”, e pra chegar a essa fase passamos pelo processo de envelhecimento que envolve saúde física e mental, independência de vida diária, integração social, suporte familiar e independência econômica, que influencia, não determinando. E para um envelhecimento saudável, é preciso adotar um estilo de vida saudável (alimentação, exercício físico, leitura), contar com rede e apoio social, aprender a lidar com as perdas, manter-se ativo, ter saúde, gerando assim vida.

Só que o nosso coração é enganoso, ele é tendencioso a acreditar que nessa fase da vida não é possível gerar vida, mas as Escrituras são claras quando fala sobre as características que o Criador compartilhou com a humanidade por meio dos velhos. Deus fala:

Há beleza e honra: “Coroa de honra são as cãs (cabelos brancos), achando-se elas no caminho da justiça” Pv 16:31

Há respeito: “Ouve a teu pai… e não desprezes a tua mãe (respeite-a), quando vier a envelhecer.” Pv 23:22

Há sabedoria: “Com os idosos está a sabedoria, e na abundância de dias o entendimento.” Jó 12:12

Há alegria: “Coroa dos velhos são os filhos dos filhos, e a glória dos filhos são seus pais” Pv 17:6

Diante disso é importante e possível ter um envelhecimento saudável, para assim gerar vida e ao chegar ao final dela, ter um coração grato pois o Criador manifestou as Suas características em nós, portanto, devemos guardar o nosso coração porque dele procedem as fontes de vida ( Pv. 4:23).

Texto por: Marcela Ricele

“Quero trazer a memória aquilo que me trás esperança”,volta e meia me pego cantando essa canção, inspirada no versículo de Lamentações 3:21 e com isso minha mente voa… E assim vou percebendo o quão  incrível o ato de parar, também significa saborear a vida,  eu como dançarino amo o movimento, mas nesses últimos meses tenho percebido que há mais movimento na pausa, do que pausa no movimento. É aquele tempinho que a gente vai entendo as coisas, inclusive que o tempo, é uma dádiva, e somos responsáveis pelo que fazemos com ele. Em tempos difíceis nos vemos obrigados, a pensar, a refletir e a compreender a importância das coisas, e como algo tão simples pode trazer um significado tão importante. Um cheiro, um sabor, um toque, uma imagem, uma palavra carregam  consigo SIGNIFICADOS.

Com isso queria compartilhar algo simples, mas que carrega muito significado. Sou dançarino, como disse no inicio do texto, amo dançar, amo coreografar, amo ensinar, amo fazer aula, mas uns meses atrás me permiti a experimentar algo novo, nada relacionado a dança. E assim com a ajuda de uma amiga e uma excelente professora, me permiti a conhecer a arte de bordar. Sim bordar! Era um universo extremamente desconhecido para mim, confesso que ainda é, estou bem no inicio, mas  não tinha consciência quantas lições uma linha, uma agulha e um bastidor podem nos ensinar. A primeira delas é: Se permita a aprender! Você não precisa saber de tudo, e deixar  o controle de lado implica em vivenciar de forma mais leve. É descobrir o contentamento a cada passar de linha e aos poucos ver o desenho ganhando forma. Aventure-se, o novo é desafiador, a principio assusta, mas daí me lembro que o próprio Cristo nos diz ser esse caminho, o que nos dá a segurança de que Ele estará conosco,  e estaremos nele. Esse caminho é uma pessoa, e Ele esta vivo. Isso me remete a segunda lição: Seja paciente! Saber como é o desenho não significa que ele já está pronto. É o já é, e o ainda não da vida cristã. Quando focamos demais no ideal, nos esquecemos do real, então saiba encarar os processos e a desfrutá-los. Momentos difíceis também trazem consigo ensinamentos, e  muitos frutos podem ser gerados a partir daí. Lembre-se  há como desatar os nós da linha. Contemple! Aprenda a enxergar a beleza. Lembre-se, Deus ao terminar cada processo de criação, parava e via que era bom. Não deixe com que a impaciência e a ansiedade  lhe roubem os olhos. Pare. Suspire e Respire fundo. Se necessário faça isso de novo, e de novo e de novo… Há significado, há cores, mesmos nos dias nublados. Mas que ao contemplar,a sua vida, seu coração se encha de gratidão.

Encerro por aqui agradecendo a minha professora Cléo Souza que me ajudou a conhecer essa arte tão incrível, mas enquanto escrevia lembrei-me de uma outra canção que diz :

“Se você olha do avesso

Nem imagina o desfecho

No fim das contas, tudo se explica

Tudo se encaixa, tudo coopera pro meu bem

Quando se vê pelo lado certo

Todas as cores da minha vida

Dignificam a Jesus Cristo, o Tapeceiro”.

Fomos tecidos por um grande artista que entende bem sobre o tempo, paciência, o contemplar, e sobretudo o que é AMAR.

Texto por: Felipe Ramos