Moda é comunicação e autoconhecimento. É mais que roupa. E muito mais que consumo.

Colorido, áspero, confortável, grosso, neutro, exuberante. Muitos desses adjetivos servem para roupas e pessoas. Como lidamos com nosso vestuário também diz muito sobre nós, porque a moda nos ajuda a expressar nossas identidades. Ela fala sobre quem somos ou o que desejamos transmitir, em uma comunicação visual de cores, texturas, formas, mesmo que a gente nem saiba disso.

O que vestimos não são apenas “pedaços de panos” que cobrem nossos corpos, mas linguagem que se veste de dentro pra fora. Se vestir é se “sentir em casa”. A moda existe para expor sua singularidade e não para impor padrões.

A EXPRESSÃO DO SER 

Segundo Pascale Navarri, em seu livro Moda e inconsciente: olhar de uma psicanalista, “bem antes da linguagem, o visual ocupa lugar fundamental na relação com os outros, relação em que se considera a referência espacial básica, o reconhecimento do idêntico e do diferente, enquanto, progressivamente, se construirá uma imagem de si e dos outros” (p. 34-35). Através do visual moldamos nossa compreensão sobre o mundo, sobre o outro e sobre nós. Essa construção sobre si é, talvez, a busca do desejo de reencontrar o olhar que pousou sobre nós desde o nascimento.

PROFUNDAMENTE SINGULARES

Ainda nos primeiros anos de vida, quando éramos a “criação” mais nova da existência de nossos pais, abrimos nossos olhos para o mundo e buscamos formas de expressar o singular em nós. Talvez esse desejo de exprimir-se através do visual é expressão do anseio mais profundo de refletir como fomos criados: à imagem e semelhança do Criador. Toda essa busca de significantes é para revelarmos quem Ele é através de nós, como a Trindade definiu no Jardim:

“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”  (Gênesis 1:26)

O olhar para dentro de nós, como expressões do Eterno, é um movimento. Se conhecer, se revelar, compreender e comunicar nossa identidade única. E nessa ciranda o que vestimos não fica de fora.

DESPERTAR A REVELAÇÃO

Fast. Fashion. Fútil. Talvez sejam essas palavras que vem a sua mente quando tenta definir “Moda”. Na relação entre moda e inconsciente, não olhar para a importância da moda em revelar identidades é uma forma de defesa. Por trás do desejo de não ser percebido, de fugir da moda, também há motivos para se conhecer.

Os olhos fechados, aqueles que olham sem ver e os olhos indiferentes, é o que a moda procura alterar; ela busca despertar o olhar. E, se insistimos tanto sobre sua futilidade, não seria para nos defendermos de sua importância [?] (NAVARRI, 2010, p. 34)

E você, o que faz com a moda? O que ela diz de você? O que você diz através dela?

 

Acreditamos que a Moda precisa ser (re)vista e (re)pensada. Conheça a Escola de Moda Consciente na Avalanche Missões.

 

Texto por: Bell Meira e Stella Sampaio