,

Quarentena e as Compulsões

Para início de conversa precisamos compreender o que são compulsões. Elas são entendidas como hábitos aprendidos, os quais podem gerar alívio sobre a ansiedade, a angústia e o medo. Ou seja, são práticas que podem ser repetitivas e excessivas e, apesar de gerarem certo prazer e proporcionarem alívio emocional, são más e, com o tempo, a sensação de bem-estar imediato passa e é seguida da culpa. Para minimizar o sofrimento causado pela culpa, repete-se a prática, caracterizando, assim, o hábito como um comportamento compulsivo.

Definidas em linhas gerais as compulsões, que relação esse tema tem com o que temos vivido atualmente enquanto humanidade, seres sociais, criados a imagem e semelhança de Deus?

Atualmente, encontramo-nos em uma realidade nova, a pandemia do novo corona vírus, e com isso deparamo-nos com algumas restrições na tentativa de combater a disseminação do mesmo. O quê fazer? Para onde ir? A indicação até aqui foi a de parar tudo, já que distanciamento e isolamento sociais são importantes neste momento que estamos vivendo. Grande parte da população se viu cercada por essa realidade e, concomitantemente, surgiu a dificuldade de lidar com o novo, com a quebra das rotinas antes estabelecidas. Insegurança e medo surgem: da solidão, do isolamento social, do incerto. É angustiante, amedrontador, e isso traz consigo transformações sociais e emocionais, junto a consequentes mudanças nos hábitos.

Mas o que fazer diante de tudo isso? Como aliviar essa tensão emocional? É nesse momento que descobrimos que o nosso coração é enganoso. Somos tendenciosos em acreditar que precisamos de algo para suprir e aliviar as nossas carências e inseguranças. Assim, nos deparamos com as compulsões em diversas áreas: comida, sexo, álcool, drogas, internet, games, entre outras. Precisamos sempre de mais, mais e mais, a fim de gerar uma sensação prazerosa, que, de contrapartida,  nunca é suficiente. E, assim, queremos mais. Mas até quando? Permita-me dizer que há caminhos que aos nossos olhos parecem certos, mas não vão gerar vida – prafraseando Provérbios 14:12.

Como é difícil lidar com a solidão, com o próprio eu, com o medo, não é mesmo? E quem disse que seria fácil? Além do mais, não fomos criados para andar e vivermos sozinhos. O Criador, junto com o fôlego de vida, soprou em nós a característica do relacionar, pois Ele mesmo é relacional. Então, precisamos conhecer o Caminho e a fonte de prazer que irão, sim, gerar vida. E, para tanto, nada melhor do que (re)conectar com o Criador e (re)descobrir habilidades, como cozinhar, desenhar, pintar. A prática de exercícios físicos, danças, esportes, caminhada, alongamento, também contribui, pois libera substâncias (por exemplo, a dopamina) que geram em nós a sensação de prazer.

Diante disso, a boa notícia é real e verdadeira, ela nos conduz a uma fonte de prazer que nunca acaba. Precisamos nos arrepender e reconciliar com Cristo, pois Ele é o caminho, a verdade, a vida, e a fonte inesgotável (Jo.4:13,14). É possível! Aproveitemos este tempo de quarentena para nos readaptarmos a uma nova rotina. “E a paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus (Fp.4:7).”